domingo, junho 14, 2009

CARTA AO FUTURO AMANTE

Recife, treze de junho de 1989
Querido Outro,


Ontem à noite, pouco antes de adormecer, eu construí um castelo. Um castelo azul, ou vermelho, ou cor-de-castelo mesmo – já não sei bem. Um altíssimo castelo, iluminado, lindo, onde viveremos amando e, do mais ardente amor, morreremos: com o sangue elegante dos amantes jorrando dos nossos furos, ou feridas, ou sussurros –já não sei bem. O meu único medo era o de porventura sermos descobertos em nossa liberdade, por isso, cuidadosamente, tratei de construir um castelo oculto; solto dentro da noite secreta; perdido na mata inviolável do ser. Um castelo selvagem, cuja porta nos devorará até que nós devoraremos não somente as portas, mas também janelas e paredes e vidraças – nós: famintos e ávidos de mais amor, Querido, já pensou? Dentro desse Novo Mundo – a que prefiro, carinhosamente, chamar de castelo – dentro desse Novo Mundo, nós correremos perigo por amar demais e, justamente por amar tanto, também seremos perigosos: fuçando um pouco mais o imaginário, posso nos ver imensos, temidos pela mobília, quadros, escadarias, tudo. E nós, tomados pelo habitual sadismo dos amantes, debocharemos da vida, equilibristas, vagabundos, animais. Eu serei a mulherzinha: nua, fértil, liberta; você será o macho: silencioso, peludo, feroz – nós dois, juntos, seremos uma única criatura úmida, enquanto o sentimento, essa força maior, será o nosso criador. Às vezes nos possuirá, de súbito, aquela vontade natural de destruir tudo e pôr à baixo o castelo, mas não faz mal: resistiremos heroicamente, e aproveitaremos a fúria para nos atirar um contra o outro, ou entrar um no outro, ou morar um no outro – já não sei bem. Aos domingos, sairemos para brincar no jardim: você dará um jeito qualquer de adivinhar o meu estado de espírito e enfiará uma florzinha murcha entre os meus cabelos; nós chuparemos frutas cítricas até que não lhes sobre nem mesmo o caroço; cavalgaremos leões, ou onças, ou nós mesmos. Viveremos dentro da célula-mãe das coisas, seremos matéria-prima. Querido, acredite: com essas mãos de velha e esse fôlego cansado – a partir dessa fina matéria de vida que me resta – eu construí um castelo! Um castelo, ou um edifício, ou mesmo uma modesta casinha – já não sei bem. O que eu sei é que, apaixonadamente, ergui paredes e construí a nossa morada. Agora só me resta construir você, Querido.

6 comentários:

Anônimo disse...

Simplesmente lindooooooooooooooooooooooooooo!!!!!!!!!!! Paula

Ângelo Fábio disse...

Tuas palavas me fazem enxarcar os olhos de sentimentos, recentimentos e sonhos. Menina demasiadamente fértil de tentativas libertarias. Seja livre até quando não queiras mais. Passe a ser o que seja até o mais mórbido sentimento. Crie castelos e destrua os mesmos. Tuas és linda e sempre serás minha independente do que venha a ser.

Te quero Preta.
Bjos dessa ilusão dissolvida entre eternas caminhadas.

clecio disse...

Minha preta, minha só minha. E desse mundo tão vasto.
Eu teu, demorei muito p entender teu espírito, tua busca. E peço perdão. O mundo ai fora às vezes e rude e veloz, e faz a gente não sentir o cheiro da própria respiração. Te ler e te entender, faz de mim um menino em lagrimas, é lindo e inquietante te ver flutuar sem sair do chão, imersas em novas descobertas. Minhas flores são vivas, e o jardim logo ali ao lado. Vamos juntos descalços.
Amo te ter. Te amo.

Kaah disse...

Lindo! Não sei dizer mais nada, apenas sinto. Muito bonito!

. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
. disse...

como sinto falta de teus escritos menina. onde estao estas palavras tao leves, azuis e agri-doces misturada de angustia, torpeza e poesia? me encantaria ver-te ou sentir a fluidez de tuas letras