sábado, outubro 03, 2009

O Fantasma

Nosso amor morreu recém-nascido.
Ouço a escuríssima canção dos ventos:
a Marcha Fúnebre lamentando o meu lamento.
A vagina da mãe chorando, ainda sangrenta do parto.
O câncer no peito do pai
- medalha concebida pelo sofrimento.
Nosso amor se foi recém-chegado.
Um amor-menino: nossa pequenina desgraça.
As flores no túmulo
- o túmulo que é berço -
e a voz de um deus, lá longe, dizendo "tudo passa".
Nosso amor: germe que não germinou.
A mãe delira em febre, o pai entrega-se à cachaça.
Nosso amor: coisa que nunca coisou.
Morta, essa criança nos visita;
pálida, essa criança nos abraça.

13 comentários:

Anônimo disse...

triste e lindo. será que não morreu prematuro? ?

Gustavo Brito disse...

- ela voltou... e como voltou!

Anônimo disse...

arrasou ! kkkkkkkkkkkkk a la cal!

Bebel Mendonca disse...

Maravilhoso Amanda, me tornei seguidora de vc...beijos
www.izamendonca.blogspot.com

Fred Delgado disse...

:]

Minha poetisa preferida.

:*

betina disse...

não sei porque enquanto lia imaginava Lirinha falando.

se recém-nascido é, todo cuidado merece. e de tao novinho, talvez nem sequer perceba que um dia foi morto, e volte à vida como se nunca tivesse partido.

aliทe vieira disse...

"o túmulo que é berço"
lindo isso..

Anônimo disse...

esse poema foi feito p/ quem mesmo??!!??

amanda moraes disse...

pra quem? pra mim.

clecio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
clecio disse...

O amor vive! E vive a viver.
Ele vive e morre, e nasce todo tempo, o tempo todo. E mudar é ceder para matar o que nos afasta e fazer crescer o que nos constrói
Meu amor é vivo!
Teu amor é nosso.
Nossa vida é amor
De paixão e ódio.

Saulo Feitosa disse...

Bom poema, assim como o poema "Cá" publicado na antologia "Tudo aqui fora escrito (...)".

Bal disse...

Menina, fiquei contente com o comentário.
É muito interessante receber elogios de pessoas que produzem coisas que eu sinceramente aprecio tb.

Por sinal seu ultimo post está muito bom. Lembra algo que eu escrevi... Acho q se chama Petrea-lactação.